O DIA EM QUE UM RABO DE FOGUETE ME FODEU PARTE 1!!

Boa noite desocupados e curiosos de plantão, mais uma vez o tio Sani vem, através deste humilde post, lhes contar as maravilhosas coisas que podem dar errado no seu dia-a-dia…

Primeiramente eu gostaria de desejar a todos “A NERD NEW YEAR” (algo como feliz ano novo modificado…hehe), agora sim, com a conciência limpa pelo fato de ter, do fundo do meu coração, desejado a todos um feliz ano novo, vamos ao que importa: O DIA EM QUE UM RABO DE FOGUETE ME FODEU!!

Rabo-de-foguete: Antiga expressão utilizada pela sociedade para se referir a garotas “de família”, encrencas, problemas de última hora, dores de cabeça, etc, etc…

OK, mas qual desses significados melhor serve para minha história? NENHUMA…eu me arrebentei com um FOGUETE mesmo, pqp viu…

Bom, tudo começou com uma bela noite de lua ch…(tava cheia? puta, num lembro…), enfim, era a ultima noite do ano, a noite da “virada”, onde seres humanos se reúnem para tomar o máximo possível de aguardente e seus “familiares” a fim de confraternizar. Rola também uma jantona esperta com tudo quanto é tipo de coisa estranha que você não deve ter comido mais que 1 vez por ano e todos aqueles parentes que você REALMENTE não vê mais que uma vez por ano. Tudo muito bom, clima agradável, conversa animada, boa comida e alguém que como em toda festa de ano novo chega com fogos de artifício afim de comemorar o fim de mais um ano de luta e sofrimento.

Música legal e alguns olhares atentos ao relógio marcaram minha mente naquele estante, eram 10 para a meia-noite e todos aguardavam anciosos para poderem se cumprimentar. Continuei na minha com a segunda lata de cerveja na mão, quase acabando. Deviam ser uns 5 para a meia noite quando resolvi tomar a minha terceira geladinha (quase empedrando. ATENTEM PARA ESTE FATO, ELE IRÁ SER VITAL PARA O BOM COMPREENDIMENTO DO TEXTO ALÍ PRA FRENTE), o sinal estava dado, hora de catar os fogos, latinha e copos e marchar a fim de ver a queima que marcaria o início de mais um miserável ano para este povo brasileiro que de bom só escuta promessas. Tentei, em vão, filmar a queima de fogos mas meu celular deu uns “pau” aí e não consegui fazer muita coisa. Lembram-se que eu falei a respeito da pessoa que gosta de levar fogos? Então, tinha uma assim na festa, e como era de se prever, ele foi acender os fogos. Apoiou o primeiro no muro para que pudessemos curtir a queima com mais segurança e botou fogo no bixinho, que, depois de muitas tentativas, concordou em acender, mas eis que da antiga grécia, resolve dar o ar da graça o senhor Gucumatz (para vocÊs que não sabem, esse carinha ae é o deus do vento da antiga mitologia grega, e considentemente o nome dele também significa “o de uma perna só”), e então, numa chance frustrada de reencarnar, Gucu deu uma sopradinha no foguete, fazendo com que ele caisse delicadamente sob o chão que devia estar apenas a uns 20 e pouquinhos metros de minha coxa. Ao cair o foguete disparou e, com uma certeira mira, foi para cima deste que vos fala, acertando cerca de poucos segundos depois minha coxa esquerda. Com a pancada eu senti que minha pressão (que para quem já me conhece bem sabe que não é muito boa) havia caido devéras. Tudo começou a escurecer e aos poucos fui perdendo os sentidos, até que algo “delicado” me despertou: uns gritos desesperados de minha namorada que (graças a Zeus) alertou os outros que eu estava ferido. Prontamente meu sogro e meu cunhado me carregaram um de cada lado, tentei pedir para que me colocassem no chão, mas meu cunhado me alertou para que eu não tomasse essa decisão, afinal isso acarretaria em um desmaio e só pioraria as coisas. Fomos ao banheiro onde ele prestou os primeiros-socorros (para quem não sabe, meu cunhado é formado em biomedicina e exerce a profissão de acumpulturista). Após a seção “ligue o foda-se e mostre a cueca ao seu cunhado”, fomos ao hospital onde minha pressão já havia estabilizado (pela primeira vez na vida) em 11 por 8 (o dito normal para vocês, seres sortudos), sendo recebidos por um médico que muito me agradou. Enquanto todos se preocupavam (quase todos) se eu estava com dor, eu fiz questão de me preocupar com minha cerveja, afinal de contas se a terceira lata estava empedrando, as minhas outras já haviam virado gelo a muito! Bom, o fato foi que eu fiquei fazendo piadinhas a fim de destrair minha namorada que parecia devéras preocupada, além do mais as cervejas (duas, porque a terceira caiu subtamente no chão enquanto meus sentidos me traíam) já tinham servido como algum tipo de anestésico para mim, sendo assim, concluimos que eu não estava sentindo dor alguma, o fator X da história (até agora) foi só minha pressão mesmo

5 comentários em “O DIA EM QUE UM RABO DE FOGUETE ME FODEU PARTE 1!!

  1. eu preocupada??magina…só pq tava saindo uma boa quantidad d sangue da sua perna??uauahauhaua
    nao gosto nem d lembrar do acontecido…+ fazer oq, aconteceu!uahuahau….

  2. Markauum….so vc pra tirar sorte grande rapaiiz….Passou o ” Reveion ” nu Hospitall eem….Aaoo q maraviilhaa…Tem coisa melhor ??
    xD

  3. Pingback: Ano novo, banda nova, psp novo e POST NOVO… « H2Oras

  4. Pingback: H2Oras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s