E eu me ferrei mais uma vez…

Então, só pra variar eu decidi, semana passada, fazer uma coisa que eu quase nunca faço: Me ferrar!

Um dos meus livros favoritos, o guia do mochileiro das galáxias, escrito em 1979 por Douglas Adams, fala que o mundo acabou em uma quinta-feira, fato este que, para mim, não seria de se estranhar se fosse verdade. Mas não é por isso que não gosto de quintas…as piores coisas que aconteceram comigo se deram em uma quinta-feira. Quinta é o dia que não é nem quarta nem sexta…é o dia que não passa de jeito nenhum…o dia que você encontra aquele amigo chato que fica te alugando o dia todo e por aí vai…Alias, segundo a minha teoria, aquele filme, o sexta-feira 13 na verdade se chamaria quinta-feira 12, mas como não ia vender, mudaram a lenda. As noites de quinta também são, em sua essência, chatíssimas e pavorosas pois, se você resolver sair para tomar uma, amanha, sexta-feira, acordará com uma tremenda ressaca que impedirá você não só de trabalhar, mas como de curtir o verdadeiro e merecido fim-de-semana que começa na sexta a noite. Repararam como as piores aulas sempre caem numa quinta? Foda, né? Na empresa que eu trabalhava antes era meio que uma regra: “Toda quinta o trabalho triplicaria”, e isso acontecia mesmo e do NADA…Brotava trabalho da terra, só pode.

Na minha atual empresa até que não acontece isso…todo dia tem trabalho de sobra, então meio que nesse aspecto quase que tanto faz, com a exceção de  que nesse maravilhoso dia quase nada da certo, bom, foco Marcus, foco…Vamos ao acontecido:

Era uma manhã de quinta-feira e, como sempre, o sol estalava na minha janela queimando cada piolho que, por ventura, ousaram a se refugiar na minha cabeça tri-color (não, não to falando do time…tenho cabelos morenos claros, brancos e loiros…e todos naturais…eu sei, sou uma aberração genética, mas isso é material para outro post), levantei com um certo desconforto intestinal, fui dar um jeito na situação e depois tomar banho/café/escovar os dentes/me trocar e depois pegaria meu rumo. Até eu fazer tudo isso, vi que me atrasei…Mas isso quase nunca me abala, sou da seguinte filosofia: “Ja ta atrasado? Então relaxa, sua vida vale mais que 5 minutos.” e assim catei as chaves do meu carrinho (R.I.P) e fui pro trabalho.

Existe um caminho que 90% das vezes eu fazia: Sair de casa, pegar o primeiro balão, seguir à esquerda na rodovia toda vida, virar novamente à esquerda, subir, esquerda de novo, reto toda a vida e finalmente, estacionar de ré no estacionamento encascalhado do cliente que presto serviço…Um caminho simples e sem complicação alguma (na prática é realmente mais fácil, acredite)…Todo esse trajeto demora, em média 10 minutos redondos…Bem, não foi diferente dessa vez…eu cai na rodovia, segui reto e do nada uma BOA MOTORISTA me cortou, erroneamente, a frente. Resultado: Meu carro sofreu um dano CONSIDERÁVEL e o dela apenas amassou a porta (era um desses carros antigos  pa burro feitos de uma lata a qual suspeito que derrubaria um prédio sem causar muito dano ao carro).

Para facilitar o entendimento, fiz esse desenho aqui (uma obra de arte, como podem perceber). Notem que o meu carro é o circulo pintado, o carro da moça é esse ae do meu lado esquerdo, o traço verde é a EXCELENTE manobra que a ESPERTA fez a fim de pegar o retorno e o carro de trás fugiu o mais rápido que pode…

Foi assim que aconteceu...

 

Enfim, como podem ver, eu estava certo, pois estava na via esquerda, tido como via de ultrapassagem, o que, na verdade, eu havia acabado de fazer com o carro ali de trás (aquele que fugiu). Mas quem disse que a BOA MOTORISTA admitia a culpa? Não me preocupei muito com certos e errados no começo: sou meio “Shun de Andrômeda”, me preocupo com o bem-estar dos outros acima do meu e, nesse momento, era o que eu estava tentando, pacientemente, fazer (em vão). A boa moça só sabia gritar que eu estava erradissimo porque ela deu seta (claro, porque retrovisor é lenda e andar na faixa correta para se fazer uma manobra também é lenda, né). Alias, gostaria MUITO de freqüentar uma auto-escola dessa cidade, porque parece que são bem fraquinhas…Nunca vi um povo que dirige tão mal e desrespeita tanto as setas, sinais, leis e ordens de trânsito. Dirigir aqui é para os fortes!

Passado o susto, a moça se recusou a ir ao hospital e a fazer um B.O (não adianta me falar para ligar pra polícia…eu liguei assim que saí do carro, mas eles não vão ao local se não houver vítima…absurdo isso, mas é a lei). Então entramos em um acordo e deixei ela ir…Reboquei o meu carro até a cidade onde moram meus avós e cidade onde reside o mecânico de confiança da família. Logo em seguida, orientado pelo meu sogro, fiz alguns procedimentos para minha segurança caso a moça quisesse, depois, agir de má fé.

Passada uma semana do ocorrido, aqui estou eu: São, salvo, seguro e esperando o meu carro novo chegar…aproveitei que iria ter que gastar MUITO para arrumar o meu velho e ja troquei de vez…sou prático 😉

 

No mais é isso, quando o novo carrinho chegar, posto fotos aqui proceis…

Bejo na bunda, meu povo!

Anúncios